segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Pesquisa em roupas íntimas encontra 10 mil bactérias e fungos com risco de infecções


G1
Uma pesquisa feita em Campinas (SP) com roupas íntimas – calcinhas, cuecas e sutiãs – encontrou 10 mil bactérias e fungos nas peças usadas, após várias lavagens, e contaminação também nas novas, recém-compradas. O risco para a saúde vai desde alergias até infecções graves e incontinência urinária.
O estudo, feito na Faculdade Devry Metrocamp, analisou 52 peças, sendo 27 novas – com contaminação em 85% por bactérias resistentes -, e 25 usadas – com risco de doenças em 92% delas. Mulheres e homens entre 20 e 55 anos participaram do estudo. Para idosos e crianças, os itens novos integraram as amostras e também geraram preocupação.
“A gente analisou o forro, a parte que fica muito mais em contato com o ânus e a região vaginal ou peniana. […] Se a pessoa já tem uma predisposição, fez uma cirurgia ou está com uma ferida, pode desenvolver dias depois um desconforto. É uma irritação, uma ardência e isso pode levar a um quadro de infecção mais grave”, afirma a doutora em ciência de alimentos, bióloga e pesquisadora Rosana Siqueira.
Peças usadas
A falta de higienização correta foi a grande vilã da pesquisa. Nas calcinhas e cuecas usadas foi encontrado o maior número de micro-organismos – até 10 mil – responsáveis por causar corrimento, dor, febre, alergia, ardência, irritação na pele, infecções de urina graves, anais e penianas, além de inflamações.
Representam risco ainda maior para quem possui hemorróidas e fístulas anais, em mulheres e homens.”Mais de mil [micro-organismos] já é preocupante”, diz Rosana.
“Algumas mulheres têm muitas queixas com infecções de urina recorrentes e, às vezes, o problema está na calcinha. O mesmo para os homens, às vezes se queixam de dor”, afirma Rosana.
Peças novas
Nas peças novas vale o alerta para quem tem “preguiça” de lavá-las antes de usar, e também para quem as experimenta antes de comprar. A pesquisadora encontrou nas amostras de calcinhas, sutiãs e cuecas – compradas em lojas de shoppings e também em comércio de rua – até 250 bactérias resistentes.
“[Encontramos] Staphylococcus aureus, Staphylococcus saprophyticus e Candida albicans, que são micro-organismo que fazem parte da microbiota da maioria da população. Ou são provenientes do material utilizado, dos manipuladores, ou das pessoas que estavam ali para comprar. O novo não é sinônimo de segurança”, diz Rosana.
O cuidado com os sutiãs é preciso principalmente nos casos em que a mulher amamenta – possui nos mamilos uma “porta aberta” com pequenas fissuras – ou passou por cirurgia de mama e está em fase de recuperação.
Os fungos e bactérias encontrados – entre elas a Escherichia coli – podem causar desde irritação na pele até furúnculo, inflamações nos mamilos, micoses e manchas.
“Quando esses microorganismos conseguem penetrar na mucosa, aumentam a quantidade e podem cair na corrente sanguínea e afetar outros órgãos. Pode ser que não aconteça nada, mas se o sistema imunológico está debilitado, pode ser prejudicial”, ressalta a bióloga.
Fonte: G1
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

LER MAIS:

Seguidores

BLOG ZAP NOTÍCIAS

BLOG ZAP NOTÍCIAS

ALTER DO CHÃO

ALTER DO CHÃO

MULTY AMARGO

MULTY AMARGO

NOTÍCIAS ATUALIZADAS

NOTÍCIAS ATUALIZADAS

DISTRIBUIDORA ATACK

DISTRIBUIDORA ATACK

Venha conferir nossos preços

Venha conferir nossos preços

Venha fazer suas compras aqui

Venha fazer suas compras aqui

Publicidade:

Publicidade: