quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Deputados alugam carros e até aviões fantasmas com dinheiro público


Deputado Silas Câmara(PRB -AM )– Foto: Cláudio Araújo -
Alguns deputados federais usam e abusam na aplicação das verbas públicas para alugar carros e até avião fantasma. Parte dos contratos feitos com as cotas parlamentares é fechada, inclusive, com empresas que ajudaram a elegê-los em 2014 — antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) proibir as doações privadas, em 2015. Nos últimos quatro anos, cerca de 20% dos parlamentares eleitos fecharam negócios com doadores de campanha.
A Controladoria-Geral da União (CGU) encontrou diversas distorções. Uma das contas que chama a atenção são os gastos com a emissão de bilhetes aéreos: R$ 28,7 milhões até o oitavo mês deste ano.
O deputado Silas Câmara (PRB-AM), que já foi condenado pelos crimes de uso de documento falso e falsidade ideológica, lidera o esquema. Foi constatado que as passagens aéreas emitidas pelo gabinete dele custaram R$ 4,5 mil no mês de julho. O valor se justifica pela distância entre Brasília e o Amazonas e a pouca disponibilidade de voos.
O parlamentar gastou em maio mais do que o dobro do montante, R$ 9.750, com o fretamento de um avião particular para uma viagem que ele sequer realizou. O trajeto teria ocorrido, segundo a nota fiscal, entre Porto Velho e Rio Branco, em 4 de maio, em um bimotor de prefixo PP-EJB. Na data da viagem, uma quinta-feira, o parlamentar estava no gabinete, em Brasília, recebendo o líder do partido, deputado Cléber Verde (MA), e chegou a compartilhar imagens do encontro nas redes sociais.
Consultada, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que a aeronave alugada está proibida de voar desde 2011 e o certificado de aeronavegabilidade está cancelado. “Uso muito o serviço aéreo, claro, pois sou o deputado que mais viaja para o Amazonas, meu estado eleitoral. E, lá, é muito complicado descer os rios e fazer tudo o que preciso fazer de carro.”
“Não me lembro desse caso. Não monitoro essas coisas. Faço o que tenho que fazer”, afirmou Silas Câmara. O gabinete do parlamentar informou que tomará todas as providências para investigar a situação e contou que, nesse dia específico, uma equipe de representação do parlamentar voou na aeronave da empresa Aéreo Especial Turismo Ltda.
O estabelecimento, que informou não ser proprietário do PP-EJB. Além de supostamente alugar um avião fantasma, Silas Câmara prestigia empresas que o ajudaram na eleição em 2014 como a Amazonaves Táxi Aéreo Ltda., que, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), fez uma doação de R$ 50 mil para o deputado.
Silas, desde que foi eleito, fechou contratos que somam R$ 226 mil com o estabelecimento usando a cota parlamentar, segundo levantamento do cientista de dados. “Por meio de um mecanismo que se chama ciência de dados, o qual me especializei por causa do meu trabalho na CGU, cheguei à conclusão de que 154 parlamentares realizaram o retorno das doações de campanha na forma de despesas bancadas indiretamente pela Câmara.”
Sales analisou 68.978 registros de doações e 793.463 despesas parlamentares. Permuta Outro caso em destaque envolvendo contratos reembolsados pela Câmara é o do deputado Luciano Ducci (PSB-PR), que, embora trabalhe no Distrito Federal, aluga mensalmente carros luxuosos na Cotrans Locação de Veículos, em Curitiba. A empresa doou R$ 84 mil para financiar a campanha do parlamentar e já recebeu R$ 152 mil em contratos de aluguel em retorno. “A doação da Cotrans à minha campanha foi feita conforme a legislação vigente. A locação de veículos, por sua vez, foi feita dentro das regras da Câmara Federal”, informou o pessebista via assessoria de imprensa.
Situação semelhante ocorreu, também, com o deputado federal Weliton Prado (MG), líder do PMB na Casa, que recebeu R$ 416 mil da Sempre Editora Ltda. nas eleições de 2014. Após 111 transações comerciais ao longo de dois anos, o parlamentar repassou R$ 652,7 mil da cota parlamentar à gráfica. A movimentação está disponível no site do TSE. 
Integrantes do gabinete de Prado não responderam aos questionamentos da reportagem e o parlamentar não foi encontrado até o fechamento desta edição. O financiamento privado de campanhas eleitorais voltou a ser discutido na reforma política após a rejeição do fundo público proposto pelo deputado Vicente Cândido (PT-SP) na PEC 77/2003, que consumiria até R$ 3,6 bilhões do dinheiro do contribuinte em anos eleitorais. Os empresários foram proibidos pelo Supremo de investir dinheiro em candidatos a cargos eletivos, justamente por demonstrar que alguns integrantes do setor ajudavam e, depois, cobravam o favor em contratos e leis para os beneficiarem.
A decisão do STF foi, principalmente, uma resposta à Lava-Jato, que desvendou um esquema de corrupção bilionário no país.
Fonte: portalcm.7
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

LER MAIS:

Seguidores

BLOG ZAP NOTÍCIAS

BLOG ZAP NOTÍCIAS

ALTER DO CHÃO

ALTER DO CHÃO

MULTY AMARGO

MULTY AMARGO

NOTÍCIAS ATUALIZADAS

NOTÍCIAS ATUALIZADAS

DISTRIBUIDORA ATACK

DISTRIBUIDORA ATACK

Venha conferir nossos preços

Venha conferir nossos preços

Venha fazer suas compras aqui

Venha fazer suas compras aqui

Publicidade:

Publicidade: